Água mineral e efeito estufa

Na Slate, o economista Daniel Gross conta a história de como água mineral* se popularizou e, por conseqüência, passou a ser rejeitada pelos mesmos esnobes que tomavam garrafinhas de Perrier antigamente. O gancho do texto é a moda em restaurantes finos nos EUA de servir apenas água da torneira, com a desculpa de que assim diminuem a emissão de gases envolvidos no processo.

(Falando de “economistas e comida essa semana”, Bryan Caplan e Arnold Kling discutem por que restaurantes finos não fazem entregas aqui, aqui, aqui e aqui. Certamente diminuiria todo aquele gasto de recursos envolvido na manutenção de um restaurante, todos aqueles carros gastando todo aquele combustível. Ah, mas cortar a água mineral compensa, não? Não?)

* Na verdade, “água engarrafada”. É assim que se diz em inglês, porque a água de garrafa lá freqüentemente vem da torneira e não de fontes minerais. A água da torneira por lá tem qualidade para isso.

[Crosspost no Garfada.]

This entry was posted in Ambientalismo, Comida. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *