Sucessão em Westeros

Uma das partes mais frustrantes da minha releitura de A Song of Ice and Fire é que todo mundo assistiu e adorou Game of Thrones, mas ninguém avançou para os volumes seguintes. Logo, quero conversar sobre umas 4 mil páginas de spoilers e nenhum interlocutor. Felizmente, é para isso que este blog existe.

Não sei se escreverei outros posts sobre os livros no futuro, mas este vai ser uma oportunidade para ruminar sobre a importância da sucessão. Desnecessário dizer, SPOILERS. Sobre todos os livros. Todos os oito. E talvez até a prévia de The Winds of Winter.

Uma sucessão ordeira, garantida e sem ambiguidades parece ser o segredo da paz em Westeros. Por exemplo, independente de todos os seus outros defeitos, Eddard Stark deixou três filhos homens, o mais velho dos quais muito bem treinado para assumir o lugar do pai, e um bastardo que não tentaria usurpar o lugar do irmão. Lorde Mace Tyrell ainda está vivo, mas também deixaria três filhos homens: o mais velho, um governante competente; o segundo, um guerreiro famoso que fundou um novo ramo da família que não deve cobiçar a herança do irmão; e o terceiro, Ser Loras, que fez um juramente que o impediria de herdar terras e títulos. Elogios semelhantes poderiam ser feitos a lordes como Hoster Tully, Bronze Yohn Royce e Príncipe Doran Martell, além de lordes menores como Jason Mallister e Paxter Redwyne

Alguns personagens tem problemas de sucessão por fatores que estão, em maior ou menor grau, além do seu controle: múltiplos filhos homens que morrem e/ou são capturados ao mesmo tempo (Rickard Karstark, Greatjon Umber, Wyman Manderly), infertilidade combinada com falta de opções (Stannis Baratheon, Ser Rodrik Cassel, Lady Whent) e azar (Lorde Raymun Darry, Lorde Beric Dondarrion). Mas vários cometem erros graves e são incapazes de deixar um herdeiro claro e inquestionável. O resultado é guerra, decadência, enfraquecimento e destruição. Os exemplos mais proeminentes, na minha opinião:

  1. Robert I Baratheon: A semente é forte. A capacidade de enganar a si mesmo, também. Sem entrar em detalhes desnecessários sobre Joffrey, Stannis e Renly, é interessante observar que Cersei adota uma atitude absolutamente racional em relação aos filhos bastardos do marido: ela manda matá-los. Não é mera sanguinolência da rainha: além de prova do incesto entre os gêmeos, todo bastardo de Robert representa uma possibilidade de legitimação, uma possível ameaça futura aos direitos dos filhos. É o mesmo medo de Catelyn Stark em relação a Jon Snow, mas justificado.
    (Aliás: quando Daenerys Targaryen finalmente abandonar a Baía dos Escravos, vai acabar passando pela cidade onde Edric Storm está escondido. Muitos fãs dos livros gostariam de ver Gendry legitimado e lorde de Storm’s End, mas nenhuma opção faz mais sentido que Edric.)
  2. Jon Arryn: Em termos do herdeiro imediato, o ex-Mão do Rei merecia estar na mesma lista que Stannis e Whent: a esposa tinha problemas de fertilidade (Lysa foi forçada a fazer um aborto quando era jovem e a família da mãe também não era muito fértil) e ele deu o azar, ou não foi atento o suficiente, de que a esposa se envolvesse com um sociopata manipulador que a convenceu a cometer uxoricídio. Também não podemos acusá-lo de não dar atenção à educação do filho: a ideia de mandá-lo para Dragonstone, o motivo pelo qual Lorde Arryn foi morto, era justamente prepará-lo melhor para a vida adulta e o comando. Por tudo isso, Jon Arryn merece empatia por parte dos leitores.
    Seu erro foi não dar atenção ao resto da linha de sucessão. Depois de Robin, o herdeiro é Harrold Hardyng, um parente distante que não leva o sobrenome da família. O resultado é um vácuo na linha de sucessão, tapado hoje apenas por um dedo Mindinho aproveitador.
  3. Tywin Lannister: No papel, Lorde Lannister teria a situação ideal: um herdeiro inteligente, outro que jurou não receber herança, uma filha bem casada, irmãos, sobrinhos e primos homens capazes de assumir o posto em caso de tragédia. Em vez disso, Tywin Lannister nunca admitiu que o juramento do primogênito seria eterno e nunca aceitou o filho mais novo. Tyrion tem um período excelente como Mão do Rei, mas também uma série de momentos de ingenuidade quando imagina que todos reconhecem o valor das suas decisões; difícil imaginar que o personagem cometeria os mesmos erros se tivesse crescido do mesmo modo que Robb Stark, sentado ao lado do pai para obter uma educação política do grande príncipe maquiavélico de Westeros.
  4. Walder Frey: A maioria dos nobres se preocupa em ter herdeiros suficientes, mas Walder Frey cometeu o erro contrário e produziu herdeiros demais. Com 22 filhos homens, não sobra herança para todo mundo e a família ainda parece relativamente avessa aos mecanismos tradicionais para se desfazer do excesso: considerando o tamanho da família, poucos Freys se tornam septões ou meistres, não temos notícias de Freys na muralha, etc. O resultado é uma disputa interna ferrenha pelos favores do velho.
    Felizmente, Lady Stoneheart está solucionando o problema aos poucos, com a ajuda dos dotes culinários de Lorde Wyman Manderly no Norte.
  5. Roose Bolton: O caso que considero menos realista em toda a série: depois de casar e engravidar a esposa, um homem precavido e avesso aos riscos como Roose Bolton jamais deixaria o filho bastardo psicótico por perto, ou mesmo vivo. Não apenas um risco grande demais para a mulher, o bebê e a própria vida. Aliás, o próprio Roose reconhece o fato, o que talvez nos force a interpretar que ele não vê nenhum problema em ser sucedido por Ramsay Bolton.
  6. Viserys I: No testamento, Viserys I estipulou que deveria ser sucedido pela primogênita, Rhaenyra Targaryen. E aprincesa foi de fato preparada desde a juventude para ser rainha. Mas no fim da vida, Viserys também teve filhos homens, que é a forma clássica de sucessão em Westeros. Nomear a filha como herdeira significa esbarrar contra a tradição em uma sociedade bastante conservadora. O resultado foi a Dança dos Dragões original. Ambos os lados da guerra civil lutavam com dragões e as criaturas acabaram aniquiladas. Se os monarcas subsequentes não fossem competentes (Aegon III, Viserys II) ou carismáticos (Daeron I, O Jovem Dragão; Baelor, O Abençoado), a dinastia teria caído 150 anos antes.
  7. Aegon IV Targaryen, O Indigno: Este não ganhou o apelido por acaso. Na área da sucessão, Aegon IV:
    1. Teve filhos bastardos com mulheres nobres, incluindo um com a prima, criando um bastardo Targaryen e descendente de reis dos dois lados, Daemon Blackfyre.
    2. Apesar de ter um filho adulto com a esposa, entregou a espada ancestral da família ao filho bastardo. A espada sempre ficava nas mãos do futuro rei, então muitos nobres interepretaram o ato como um sinal de que Daemon, não Daeron, seria o herdeiro.
    3. No leito de morte, legitimou os quatro bastardos nascidos de mulheres nobres (Daemon, Aegor “Bittersteel” Rivers, Brynden “Bloodraven” Rivers e Shiera Seastar), mas sem explicitar a ordem de sucessão.
    4. Deixou pairar dúvidas sobre a legitimidade do filho, o futuro Daeron II, O Bom, que supostamente seria filho da rainha Naerys com o Príncipe Aemon, O Cavaleiro Dragão.

    As causas finais da rebelião não foram a legitimidade de Daemon ou Daeron, mas sim as transformações culturais causadas pelo casamento do novo rei com a Princesa de Dorne, a natureza pouco marcial de Daeron, amor de Daemon pela Princesa Daenerys, etc. Nada disso teria passado de drama familiar e lordes resmungões, no entanto, se Aegon IV não tivesse criado na linha de sucessão mais de dez anos antes. Em A Song of Ice and Fire, o passado sempre importa.

  8. Ser Barristan Selmy: Os membros da Guarda Real são escolhidos pelo monarca e, ao contrário da Patrulha da Noite, não escolhem seu próprio comandante. Além disso, não temos nenhuma notícia de como os lordes comandantes anteriores foram escolhidos e como se relacionavam com os irmãos antes de ascenderem ao cargo. Ainda assim, o comando de Ser Barristan parece ter sido fraco. Os romances deixam claro que ele nunca se envolveu com os outros seis membros da Guarda. Mais do que isso, ele nunca perdoou o Regicida ou aceitou-o como membro da organização, sugerindo que ele se juntasse à Patrulha da Noite após o Saque de Porto Real e depois, como todo resto de Westeros, imaginando que ele um dia seria o herdeiro de Lorde Tywin. O resultado é que ele nunca faz nada para reverter a decadência da Guarda, ignora totalmente o potencial de Ser Jaime Lannister e não garante a continuidade dos segredos guardados pelos sete.
    Depois da queda de Ned Stark, Ser Barristan parece ter desencantado e está se tornando mais político e flexível em Mereen, mas ainda (felizmente) incapaz de tomar decisões imorais em prol da própria causa.
  9. Jon Snow: Jon Snow comete muitos e muitos erros políticos enquanto 998º Lorde Comandante da Patrulha da Noite e a questão da sucessão é o menor deles. Quem sabe outro post. Por ora, basta lembrar que Snow escolhe Satin como intendente pessoal, um ex-garoto de programa que jamais seria eleito pelo resto dos homens. Jon era um comandante jovem e não tinha por que pensar em sucessores tão cedo, mas como ex-intendente do Lorde Comandante, ele sabia perfeitamente que a posição seria ideal para o treinamento de jovens oficiais. Snow distribui os oficiais de confiança pelos antigos castelos da Patrulha e se esforça para ensinar os membros da Patrulha a serem bons guerreiros, mas em nenhum momento ele parece dar atenção à ideia de formar oficiais.

Além destes, poderíamos citar Aerys II, por alienar o filho; Balon Greyjoy, por ignorar o filho sobrevivente e tentar desafiar os costumes locais com a escolha da filha, Asha; e, claro, Randyll Tarly, pela incapacidade de reconhecer no filho mais velho as qualidades não-marciais que também compõem um bom líder.

This entry was posted in A Song of Ice and Fire, Livro Ficção. Bookmark the permalink.

5 Responses to Sucessão em Westeros

  1. Aline says:

    Não pude não comentar:

    “SPOILERS. Sobre todos os livros. Todos os oito” Que Spoiler de 08 livros cara?! Só tem 05 livros escritos até agora…

    Alem disso Martin não confirma a escrita de 08 livros apenas 07.

    Todas as suas colocações após o 05 livro não são spoilers de nada, são apenas especulações.

    Tenha mais responsabilidade ao informar seus leitores… Coisa feia!

  2. Cisco Costa says:

    Estava me referindo às três novelas, The Hedge Knight, The Sworn Sword e The Mystery Knight, que se passam cerca de 90 anos antes dos romances principais. Uma quarta novela, The She-Wolves of Winterfell, deve sair no final do ano, em uma antologia chamada Dangerous Women.

    A primeira já saiu em Portugal, creio, com o título de O Cavaleiro de Westeros, e duvido que vá demorar a sair por aqui.

  3. Izabella says:

    Olá, Cisco!

    Não sei se minha pergunta se encaixa na postagem acima, mas ando com uma dúvida fixa em mente.

    Caso Wynafryd Manderly se torne finalmente Senhora de Porto Branco, que casamento seria melhor para a continuação de seu clã?

    • Cisco Costa says:

      Não é bem minha especialidade, mas eu diria, em ordem:

      * Um parente com o mesmo sobrenome, como por exemplo um filho do primo do pai dela, Marlon Manderly, pois isso impediria o apoio a pretendentes do sexo masculino;

      * O herdeiro ou segundo filho de algum vassalo importante — o pai dela é casado com uma Woolfield, que é uma família vassala importante da região SE do Norte de Westeros;

      * O herdeiro dos Hornwood, caso a questão se resolvesse antes dela virar Senhora de Porto Branco e o Warden do Norte permitisse a fusão das duas casas. Se os Karstarks não estivessem no estado que estão, isso geraria conflito — Alys Karstark tinha sido prometida a Daryn Hornwood — mas com a situação atual, acho que criaria um aliança dinástica para proteção contra uma incursão oportunista dos Boltons vindos do Norte.

      * Algum membro de uma casa poderosa do norte do Vale, de preferência Primeiro Homem (Royce, Coldwater), que pudesse fornecer tropas para defender seus domínios.

  4. Monica Costa says:

    Muito bom post, eu adoro Game of Thrones. Estou ansiosa para a próxima temporada, o último capítulo me deixou super animado, eu compartilhar o link: http://br.hbomax.tv/serie/Game-of-Thrones-Temporada-07-/501441 onde podem verificar o tempo restante para a transmissão e que é muito emocionante! Eu acho que todo o elenco tem feito um grande trabalho, é uma das minhas séries favoritas, tem uma grande história.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *